terça-feira, 25 de junho de 2013

Dizendo

Como num trepidar, a voz pensamentante revolvendo o suco de qual maçã doce, mordida e não-comida, numa mastigação de sorvências, mal sabe ele que sobre a testa um botão vermelho pousou: calombo, se entrevisto e não-olhado, brumoso, se examinado e não-indagado. Há um quê de movimentado nele, apesar de aparentemente fixado na incura de sabe lá qual dedo. "Deslocou-se", minha memória me diz. Outrora aparecia na altura do olho, um pouco abaixo, como um corte violento no rosto alvo e asseado.
Preciso e até mesmo rigoroso, a dissimetria de se fazer verde-bolor.
A borboleta do rosto. Sim, as asas de cada lado da face, cujo sustentáculo se faz volumoso, de carne, essencialmente carne, num barroco à la Rembrandt. Um declive ou uma ascendência, o centro e a posição, a jorrar sombras, lagoas do inexistente, prateadas pela luz. Luz. Concentra-se.
O denodo do dizendo.
Aparência do corpo, agora real, a mais, ainda que o pensamento o queira sumido, apagado de considerações.
Dizências.
Dizânsias, eu digo.
    
    

sábado, 1 de junho de 2013

Sementários: Antonio Bandeira


                                                    Tríptico com título desconhecido
                                                          [Antonio Bandeira]


1) [Sem título]: Quem são nuvens? Ou estariam brincando por condenados à poeira?

2)[uma passagem]: para a guerra, num olho de monstro, olhar à beira do movimento.

3) [La ville Lontaine]: Nasgos de cores quentes e riscos firmes num cubo de gelo. Que peso tem?

4) [Outonal]: Folhas amarelas conglomeradas [em] mel, salpicam-se [em] vermelhas, como que batidas em insumo. Afinal, onde se inscreve o branco?

5) [Cidade anoitecendo]: Esse capacete medieval tem um nome de que não sei, cujo caldo umedece e resseca, aquele de que só o rosto conhece.

6) [sem título] 1965: [fogos-tinta] decalcam azul, vermelho e o verde omisso. Ou para um sol seria redundante duas ascensões?

7) [cascata correndo]: montante da casca. ferida. horizonte. Sorriem a dois ou três, com o respaldo das nuvens que se despedem, feito icebergs.

8)  [Paysage]: do cume do avião, o mapa da lucidez. O restante das cores, viúvas, ao desespero.

9) [Tríptico sem título]: O testemunho florestal em três momentos circunscritos fora do tempo. O que a inicia não se sabe. Em que pedra se compõe, afinal, onde nem a emoção posso depôr?