quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Oco imundo

 
               Elle  - 1905
[ Gustav Adolf Mossa]  


Ballet Orfeu 6. Eurídice
[Pierre Henry]
Coreografia - Maurice Béjart
Voz - Alain Cuny 
1960



para quem a rainha quer morre
para quem quer a rainha 
morre a quem quer e
a quem morre, a rainha quer
a quem quer e morre


a rainha  
apartada_

 -  
.a carne malemolente pungindo depressa
na curvatura das abóbadas
caídas
(ainda que férteis em limo)
e qualquer coisa de húmus  
acumulado
entregue aos dedos e à lama
de um sei lá quê
segurando
apertando
disfarçando um calor
à troco d'um fluir que logo chega
melancólico-esbranquiçado.

a perda em lata.
_
cospe-

paralisando o singelo
o tempo das cegonhas
a verdade das laranjas

bloqueia. dá tônus ao ego
umidifica um sonho
na curvatura de uma corda 
bem apertada

ventre furta cor
lugar bem específico
de lugar algum
de ninguém. nada. e nenhum.

dá o tônus do enviuvecer
nas manhãs perdidas do encardecer
nas manhãs devoradas do ensandecer
nos sadismos feridos
em chocolate dor



e sem fundo e mosca.
  

O pleno chão, vazio de durezas
decaídos
desgovernados
embebidos de um instante alucinado
em china seco


palafita
remoções
despedidas 


daquilo que quiçá foi um nome

 antes adereço
mania decalcada
boquirrota

(apesar do que se vê
em olho nu
deliciosamente nu:


remordido 
tantálicas vão-se as
cores sem primaveras
som sem silêncio
os vermelhos desamores

crepúsculos de folhas
securas roedoras